Quem já recebeu por e-mail o alerta dizendo que não era pra tomar a vacina contra a gripe H1N1 porque ela é um plano de destruição em massa?

Quem já recebeu um texto chulo, vulgar, pseudocômico e assinado, embaixo, “Luis Fernando Veríssimo”?

Quem já recebeu um poema da mais deslavada autoajuda com o nome de Carlos Drummond de Andrade ou de Fernando Pessoa?

Uma vez eu recebi um “poema” falando para aproveitarmos mais o tempo, jogar fora os relógios… e assinado sabe por quem? Shakespeare!

Quem nunca recebeu nada assim provavelmente nem está lendo esse texto, pois não deve ser usuário da internet.

Que época estranha essa a nossa. Não vou ser aqui o juiz da verdade a ponto de falar, de modo taxativo, que é uma era pior ou melhor. Apenas acho peculiar, pois, uma vez que vivemos na tal era da informação – alguns iriam mais longe chamando-a de era do conhecimento – acabamos por nos deixar lograr justamente por pura falta de informação e conhecimento.

Eu tenho pena do Luís Fernando Veríssimo! Que ele seja reconhecido pela obra dele e não pela obra boboca e preconceituosa que dizem ser dele. Se você já leu Drummond, Veríssimo, Pessoa, sabe que eles não iriam ficar escrevendo mensagenzinhas laudatórias fáceis ou reforçando preconceitos revestidos de virtudes.

A última que recebi foi essa da vacina contra a gripe H1N1. Em letras garrafais – a mensagem implorava para ser repassada –, dizia que a vacina era um “assassinato em massa das populações do planeta através de vacinação compulsória” e outras baboseiras quejandas.

Fiquei pensando: assassinato em massa do planeta! Parece filme de Hollywood! Tanto que os agentes de saúde que já receberam a vacina (médicos, inclusive) estão tombando um a um e não sabiam de nada! Até nisso pensaram: primeiro vão matar os médicos pra que depois nós, pobres indefesos, não tenhamos a quem pedir socorro!

Aliás, pensando bem, vocês viram que os adolescentes estão fora dessa escala de vacinação? Taí a chave da questão: vai ver algum pestinha é que arquitetou isso pra que só eles sobrassem sobre a face da Terra e dominassem o mundo! Vai ter videogame todo dia!

Ironias à parte, eu também já fui iludido algumas vezes. Não sei se algum pavor se apossa da gente e queremos compartilhá-lo, ou se alguma convicção nossa está embutida no boato, mas o fato é que de vez em quando é possível deslizar. Tenho feito o seguinte: qualquer notícia, estatística política, poema, texto de autoajuda, se eu não deletar de cara, vou tentar checar a fonte e não ser mais um a contribuir com a poluição virtual pela internet. Pode dar um pouco de trabalho, mas acho um exercício cidadão.

Aquele abraço.

Cezar Tridapalli (sou eu mesmo, posso provar!)