Juliana Heleno

/Juliana Heleno

Tempo de escolhas

By | 2018-02-27T13:33:49+00:00 setembro 18th, 2014|Blog, Juliana Heleno, política|

  Estamos acostumados a abominar a “política” e a atribuir todos os problemas do mundo aos “políticos”. Não vou entrar no mérito de que somos seres políticos e nem vou me arriscar a conceituar política. Mas, em tempo de eleições, há algo que me incomoda muito e tento então, neste post, concretizar o incômodo. Tenho [...]

Eu me importo

By | 2018-02-27T13:33:55+00:00 julho 28th, 2014|Blog, Consciência Planetária, Juliana Heleno|

Vivemos uma mudança de época. Isso já não é mais novidade pra ninguém. Chegando aos 40 anos, no entanto, posso dizer que sinto na pele tais mudanças e não estou aqui, caro leitor, falando de algumas rugas ou pés de galinhas. Falo na verdade do modo ser e estar no mundo. Nasci e cresci no [...]

Ler é prazer?

By | 2018-02-27T13:34:05+00:00 Março 17th, 2014|Blog, Juliana Heleno, Leitura|

Estava desempenhado, de alma e corpo ocupados: tecia os delicados fios com que se fabrica a quietude. Eu era um afinador de silêncios. Mwanito, personagem principal do livro Antes de nascer o mundo - Mia  Couto Foto de Diego Zerwes Nos últimos tempos tenho me incomodado com uma questão, há uma concepção muito [...]

De quando a cidade se põe às avessas

By | 2018-02-27T13:34:08+00:00 novembro 14th, 2013|Corrente Cultural, Juliana Heleno|

  A Virada Cultural de Curitiba mudou de nome oficial, virou Corrente Cultural e se estendeu por um período mais longo, mas foi no fim de semana (09 e 10 de novembro) que a programação intensa de shows tomou conta do centro da cidade. Já escrevi, há dois anos, neste mesmo blog, sobre as minhas [...]

Sintomas de prosa na infância

By | 2018-02-27T13:34:13+00:00 setembro 26th, 2013|Juliana Heleno, Leitura, Literatura|

O menino fazia prodígios Até  fez uma pedra dar flor! A mãe reparava o menino com ternura. (in Exercícios de ser criança – Manoel de Barros)   Tem coisas na memória da gente que ficam obscuras e, de repente, como se algum botão tivesse sido acionado, reaparecem, não sei se isso acontece com todo mundo, [...]

Cem anos de solidão: do leitor real e do leitor implícito

By | 2018-02-27T13:34:19+00:00 agosto 8th, 2013|Juliana Heleno, Literatura|

  Gosto muito de uma teoria que diz que todo texto ficcional traz em sua estrutura um leitor implícito “que não tem existência real; pois ele materializa o conjunto das preorientações que um texto ficcional oferece” (Iser, 1996, p.73). Entendo que isso significa dizer, que é possível perceber nos textos ficcionais um leitor que foi [...]

Sobre escolhas e renúncias

By | 2018-02-27T13:34:27+00:00 Maio 23rd, 2013|Juliana Heleno, Leitura|

“Cosme ainda estava na idade em que a vontade de contar dá vontade de viver, e se acredita não ter vivido experiências suficientes para contá-las...”  Ítalo Calvino – O barão nas árvores (p.144) Já defendi em posts anteriores e outros textos o papel fundamental que a literatura  tem na formação das pessoas e acredito, de fato, [...]

Pequeno ensaio sobre a simplicidade

By | 2018-02-27T13:34:33+00:00 Abril 8th, 2013|Juliana Heleno, Simplicidade|

“Qualquer que seja a sua condição em matéria de dinheiro e crédito, você não vai encontrar num shopping o amor e a amizade, os prazeres da vida doméstica, a satisfação que vem de cuidar dos entes queridos ou de ajudar um vizinho em dificuldade, a autoestima proveniente do trabalho bem-feito, a satisfação do “instinto de [...]

Sobre Arte e outras coisitas mais…

By | 2018-02-27T13:34:42+00:00 outubro 24th, 2012|Arte, Juliana Heleno, n12|

  Obra de Lucia Laguna, na 30ª Bienal em São Paulo Acredito, sinceramente, que todos nós sejamos um poço de ideias. A maioria delas a gente descarta, esquece, algumas a gente divide, conversa sobre, bate papo. E tem algumas que insistem em ser registradas, têm a pretensão de se materializar, ficar pra posteridade, [...]

Ler e escolher

By | 2018-02-27T13:34:49+00:00 setembro 2nd, 2012|Juliana Heleno, Leitura, n10|

“ O diabo não há! É o que eu digo, se for...Existe é homem humano. Travessia.” Palavras derradeiras do Grande Sertão: Veredas – João Guimarães Rosa Dia desses, de forma bastante despreocupada, me dirigi a um Shopping desta nossa capital paranaense, com uma tarefa deliciosa e muita específica: comprar um livro para dar de presente [...]