O momento é de agradecer o empenho dos professores em manter a qualidade do ensino em meio a uma pandemia.

Glossário de emoções: gratidão

O momento é de agradecer o empenho dos professores em manter a qualidade do ensino em meio a uma pandemia

Perante um contexto tão complicado quanto o da pandemia da Covid-19, parece estranho perceber que somos gratos por alguma coisa. Entretanto, desde o começo do surto do novo coronavírus pelo mundo, muitas pessoas estão refletindo mais sobre suas próprias vidas e até expressando mais seus sentimentos nas redes sociais.

Para termos uma ideia, segundo uma verificação interna do Twitter, a palavra “obrigado/a” (e suas variantes como “brigado”, “brigada”, “grato”, “grata”, “agradecido”, “agradecida”) foi citada em quase 10 milhões de tweets só até abril deste ano. O termo foi 49% mais usado do que antes da Organização Mundial de Saúde (OMS) decretar a pandemia.

Provavelmente os profissionais que mais têm recebido declarações de gratidão, logo após os trabalhadores da saúde, são os professores. Com os filhos em casa em período integral desde a suspensão das aulas presenciais em meados de março, mães e pais não se cansam de dizer o quanto têm valorizado os professores dos pequenos.

A coordenadora pedagógica Eliane Dzierwa Zaionc conta que o Colégio Medianeira tem recebido várias manifestações de estudantes e famílias expressando o reconhecimento deste esforço em sempre fazer o melhor na transição para o ensino remoto. “Já me emocionei muitas vezes ao ler e presenciar nas lives esta gratidão aos professores.”

Para Maria Teresa Reali Santana, mãe de André Luís Santana Reali (2°D) e Francisco Santana Reali (8°C), os professores têm sido da maior importância. “Deles depende o bom andamento e a motivação por parte dos alunos para aulas a distância. No Medianeira, a grande maioria dos professores se reinventou e buscou maneiras de deixar as aulas mais leves e atrativas. Por isso, gostaria de agradecer o empenho dos professores e de toda a equipe da escola, imagino que não está sendo fácil organizar tudo a distância”.

O poder da adaptação

Os docentes estão passando por uma fase completamente nova em suas vidas. Em pouco tempo, tiveram de se adaptar para manter o ensino de forma remota, de dentro de suas casas, num cenário completamente diferente do que estão acostumados. Muitos precisaram aprender a utilizar a tecnologia do zero, e mesmo quem entendia um pouco mais de informática teve de dominar rapidamente ferramentas como Teams, Zoom, Google for Education e Classroom.

Além disso, quem nunca tinha feito vídeos foi obrigado pelas circunstâncias a romper a barreira não apenas tecnológica, mas psicológica, porque mesmo as pessoas mais desenvoltas podem ter dificuldade de falar para uma câmera. Tudo isso em um momento de incertezas, inseguranças e mudanças de rotinas domésticas. Sem esquecer que muitos professores também têm filhos em casa.

Priscila Louise Leyser Santin, mãe do Lucas Leyser Santin (9º ano) e do Marcelo Leyser Santin (7º ano) fala que percebe uma movimentação muito grande de professores e do colégio como um todo não só para manter uma rotina com os estudantes, mas também para ensinar novos conceitos e conteúdos.

“Se compararmos as primeiras aulas e materiais disponibilizados com os de agora, é notória a evolução. Esse desenvolvimento só foi possível graças a dois pilares: escola comprometida e professores engajados. Como professora sei o quanto aumentou o volume de trabalho para quem ensina e o quanto eles precisaram se reinventar frente a uma geração que já nasceu com a tecnologia fazendo parte do seu cotidiano. Por isso tudo sou muito grata por todo o suporte que o colégio criou e tem criado para tornar esse momento atípico o mais fluente possível”.

Maria Teresa concorda: “sabemos que prender as cabecinhas cheias de ideias em determinada matéria não é fácil, ainda mais sem aulas presenciais. E vocês estão conseguindo! Inventaram inúmeras coisas: uns tocaram, outros se fantasiaram, outros imitaram locutores de rádios, e tudo isso foi superválido e importante na aprendizagem de nossos filhos. Agradeço muito tanto empenho e dedicação”.

Por fim, a coordenadora afirma sentir orgulho dos atores educativos com os quais atua, tanto professores como equipe pedagógica. “Agradeço a disposição de todos em fazer o melhor em um tempo de tamanhos desafios. Também sou grata aos pais pelo comprometimento e pela compreensão sem precedentes. Sigamos assim para um bem maior: a saúde de cada um e de todos”, enfatiza Eliane.

#Gratidão não é só um termo que ficou popular no Twitter. É também o sentimento do Colégio Medianeira a todos os professores e equipe pedagógica!