Projeto João de Barro é premiado pela Rede Conectando Saberes

Iniciativa desenvolvida no Colégio Medianeira pelas educadoras Eliane Barreto Maia Santos e Rafaela Batista dos Santos recebe placa especial de reconhecimento

26/11/2019 Notícias| Projeto João de Barro

Reunir e reconhecer estratégias pedagógicas que fujam do usual e tenham impactos positivos no cotidiano acadêmico: esse é o objetivo do Prêmio Conectando Boas Práticas.

A iniciativa da Rede Conectando Saberes, apoiada pela Fundação Lemann, premiou, no último dia 20 de novembro (2019), projetos selecionados entre 2.600 trabalhos inscritos.

Durante o Seminário Conectando Boas Práticas, foram apresentados os projetos realizados por professores na região de abrangência do Núcleo da Rede Conectando Saberes de São José dos Pinhais.

Divididos em 64 núcleos de conhecimento, com 10 propostas concorrentes, cada grupo resultou num finalista principal.

O Projeto João de Barro, desenvolvido pelas educadoras Eliane Barreto Maia Santos e Rafaela Batista dos Santos, foi agraciado entre os mais bem avaliados pelos membros da rede Conectando Saberes no núcleo de São José dos Pinhais/PR.

Além do reconhecimento acerca das boas práticas realizadas, passando a fazer parte do Banco de Boas Práticas e figurando no E-Book da Rede Conectando Saberes (2019), os 10 finalistas receberam, também, uma placa especial de reconhecimento.

O Projeto João de Barro

O Projeto João de Barro nasceu a partir de discussões nas aulas de ciências a respeito dos impactos das ações humanas no ambiente. Tendo como foco central a sustentabilidade, as educadoras Eliane e Rafaela viabilizaram o trabalho que aliasse os componentes de Ciências e de Matemática desenvolvidos no decorrer do ano letivo com os estudantes dos 5º anos.

Os estudos e as discussões, durante as reuniões pedagógicas, oportunizaram que se idealizasse um projeto de ação sustentável para redução dos impactos ambientais gerados pelo consumo e pelo descarte de lixo e resíduos. O Projeto alia a ideia do reaproveitamento do lixo plástico produzido da casa dos estudantes e educadores envolvidos, além da mobilização de mais pessoas que ajudem na coleta dos resíduos.

A compactação e posterior produção dos “tijolos”, formando construções como a “Casateca”, que fica no Pátio do Ensino Fundamental, e o “Casulo”, localizado em frente ao Medianeirinha. A primeira consiste numa obra feita com resíduos plásticos, que reutilizou piso, telhas, portas e janelas disponíveis na marcenaria do Colégio. Na segunda, foram utilizadas 660 caixas de leite e 132 kg de resíduos plásticos.

A colaboração de todos os estudantes e educadores foi de fundamental importância para o bom resultado dos trabalhos. O setor de manutenção do Medianeira recebe destaque especial, pela atenção e cuidados com relação ao desenvolvimento do projeto, viabilizando a construção dos dois empreendimentos e acabamento impecável de cada um deles.